Proteção contra fogo: vale a pena proteger o seu gerador de emergência?

04 out

Você já reparou que a quantidade de vezes em que a luz acaba durante um ano ainda é infinitamente maior do que o índice de incêndios? Em grandes cidades e regiões metropolitanas não é incomum ouvir dizer que houve queda de energia. Para ajudar nestes casos, edifícios residenciais, estabelecimentos e empreendimentos comerciais passaram a contar com a ajuda de geradores de energia de emergência, para garantir pleno funcionamento.

No caso de empresas e indústrias, a falta de energia pode custar dinheiro, já que acabam perdendo produtividade, diminuindo a receita do mês e até causando danos a dados, que podem desaparecer com a queda de força. Por esses e outros tantos motivos, é muito válido implementar um gerador nas contas financeiras para que nada disso aconteça.

Benefícios de um gerador para situações críticas

Um gerador é ideal se você pretende aumentar o valor de operação da sua empresa, já que ele diminui a perda de uma renda que pode ser significativa ao final do mês. Neste caso, ter um gerador se torna inclusive estratégico, já que seu produto pode até ficar indisponível sem seu auxílio. Outro aspecto muito positivo é o fato de que os funcionários de um estabelecimento comercial dependem de energia elétrica para trabalhar e eles são os primeiros a sentirem o impacto de uma perda de energia.

Os lados positivos são muitos, porém, infelizmente, essa história pode não ter um final feliz. Apesar de muito eficazes, os geradores também podem ser origem de incêndios. Segundo associações de prevenção a incêndio internacionais, entre os anos 2001 e 2007, foram, em média, 333 incêndios causados por geradores em estruturas não-residenciais por ano, com perda anual de 58 milhões de dólares. Por conta do potencial de combustão em geradores, muitos proprietários optam por instalar sistemas de proteção a incêndios para limitar as consequências de uma abertura de fogo causada por eles.

Quando um gerador está funcionando, as superfícies de motor e do sistema de exaustão podem exceder as temperaturas de auto-ignição dos fluidos. Se estes fluidos, como óleos e combustíveis, escapam para superfícies quentes, eles podem causar um incêndio muito difícil de se extinguir apenas com sprinklers. Adicione isso à presença de oxigênio por conta de alta ventilação para promover o fluxo de ar e você tem uma situação de altíssimo risco. Este foco de incêndio pode por em risco a vida de quem estiver dentro dos estabelecimentos, além de ser muito provável que o sistema de energia reserva seja danificado, gerando enormes prejuízos à operação daquele local.

Agora que você já sabe dos perigos que um gerador desprotegido pode causar, que tipo de proteção você colocaria em um ambiente a fim de diminuir os riscos e manter seus equipamentos a salvo? O mínimo a se fazer é seguir os passos de segurança do prédio – a maioria dos prédios grandes isentam os locais com os geradores de terem sprinklers, mas pedem um sistema automático de detecção. Além disso, deve ser instalado um extintor portátil no espaço. Porém, é claro, os donos de geradores que auxiliam em situações críticas optam por fazer mais que isso.

Outras formas de proteção a seus geradores

Você pode optar por dectores incêndio. Eles se tornam muito úteis, já que os geradores espalham fogo rapidamente. Por isso, a técnica ideal é encontrar calor ou chama originários. Fumaça, ainda que presente, não é um bom primeiro indicador. O primeiro aspecto a se considerar é o aquecimento. Os detectores de calor são confiáveis e econômicos, mas, ao considerar a natureza do equipamento do gerador, os estabelecimentos também adicionam alguma forma de percepção precoce. Muitos usam detector de chama óptico para identificação de forma automática. Estes detectores rapidamente percebem a presença de uma chama.

O sistema de supressão na sala do gerador também é altamente recomendável. Neste caso, alguns fatores devem ser levados em conta: ventilação do espaço; armazenamento e alimentação de líquidos combustíveis ou inflamáveis; combustíveis sólidos no ambiente; e a resistência do equipamento a possíveis danos causados pela supressão do sistema de incêndio. Historicamente falando, há diversos tipos de sistemas que podem ser escolhidos, incluindo sprinklers, dióxido de carbono (CO2), espuma e Water Mist.

Se você procura por equipamentos de combate e proteção a incêndio para a sua empresa, a Gifel pode ajudar. Com o apoio de profissionais especialistas no assunto, as escolhas para você são feitas de acordo com as suas necessidades, com orientação e instalação dos sistemas de prevenção de incêndios e ação em caso de problemas com fogo. Tire suas dúvidas entrando em contato conosco!

Curta essa página

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *